Estilos

banner_site

Aqui você encontra alguns dos estilos de cerveja que podem ser saboreados na Rota Cervejeira do Rio de Janeiro:

Lager

Consideradas as cervejas de maior consumo no mundo, as lagers são cervejas de baixa fermentação ou fermentação a frio (de 6 a 12°C). A graduação alcoólica varia, geralmente, entre 4% e 5%. Diversos tipos de lagers podem ser encontrados na Rota:

Pale Lagers
Lagers claras, as mais comuns e fáceis de encontrar.

Pilsen – também conhecida como Pilsner, Pilsener, ou Pils, criada no século XIX na região da Boêmia, na República Tcheca, são caracterizadas pelo lúpulo acentuado no aroma e sabor.
Helles – originária de Munique, tem forte presença de malte e menos lúpulo, apresentando coloração amarelada.

Dark Lagers
Também bastante comuns, as lagers escuras marcam presença na Rota Cervejeira:

Dunkel – fazendo jus ao nome, que em alemão significa “escuro”, as cervejas Dunkel têm coloração escura-avermelhada, e sabor maltado Schwarzbier – cerveja preta (e não apenas escura, como a Dunkel), com sabor que remete ao chocolate, café e maltes tostados, embora não seja doce como as Malzbier Malzbier – variação escura e doce, de graduação alcoólica leve – entre 3% e 4,5%. É um tipo de American Pale Lager.

Bock
É uma cerveja de sabor mais forte e encorpado, com coloração que pode variar entre vermelho e marrom. A graduação alcoólica é alta, e vai de 6% nas Bock tradicionais a 14%, nas Eisbock.

Vienna
Com origem na Áustria, tem sabor suave e adocicado de malte levemente queimado e cor entre marrom e vermelho. O teor alcoólico é moderado: entre 4,5 e 5,7%.

Ale

É um tipo de cerveja mais encorpada, produzida a partir de cevada maltada e que usa uma levedura que trabalha melhor em temperaturas mais elevadas.

A fermentação ocorre em temperaturas mais altas do que nas lagers, entre 15 e 24°C.

Tal levedura, conhecida como levedura de alta fermentação, fermenta a cerveja rapidamente, proporcionando um sabor frutado, devido à maior produção de ésteres.

Confira os principais tipos de cervejas ale que você pode encontrar na Rota Cervejeira:

Pale Ales
São as ales claras, com graduação alcoólica de até 6%. Mais leves, foram criadas para competir com as Pilsen durante a Segunda Guerra Mundial.

Indian Pale Ale (ou IPA) – mais carregada em lúpulo, foi desenvolvida pelos ingleses para aumentar o tempo de conversação para as viagens à Índia.
Red Ale – possui coloração avermelhada, devido à adição de um pouco de malte tostado.
Blonde Ale – também chamada de Golden Ale, de origem belga, é um tipo de Pale Ale mais dourada e encorpada.

Belgian Strong Ales
Oriundas da Bélgica, possuem algumas características marcantes. A Dark Strong Ale é fortes, escuras e encorpadas, chegam a até 11% de álcool

Tripel – densa, consistente, com teor alcoólico entre 8% e 12%, essa cerveja possui uma coloração amarelo-dourado e recebe três vezes mais malte do que as demais cervejas. De sabor e aromas complexos, pode ser adocicada, devido à presença de frutas.

Saison
Também de origem belga, esse é um estilo bastante versátil e que permite a adição de diversos ingredientes. Seu sabor e fermentação são comparados aos de vinhos tintos.

Weissbier
Cerveja feita a base de trigo, característica da região da Baviera, do sul da Alemanha, também chamada de Weizenbier. Tem teor alcoólico moderado, entre 5% e 6%, são claras e opacas, geralmente com um creme denso e consistente, e possui sabores frutados e florais.
Witbier (ou Belgian White), é um tipo de Weissbier. É suave, refrescante e esbranquiçada, devido às leveduras e ao trigo em suspensão.

Stout
Stout é um tipo de cerveja é originário da Irlanda, produzido a partir de cevada torrada, que produz um malte especial (escuro) e possui um sabor amargo conferido pelo lúpulo associado ao adocicado do malte. Enquadrado como cerveja de fermentação superficial, por possuir alto teor de álcool (5 a 6,5%). Possui também elevado teor de extrato primitivo, cerca de 15%.

Lambic

O estilo Lambic diferencia-se das Lagers e Ales pelo tipo de sua fermentação, que é espontânea, produzida através da exposição à leveduras selvagens, encontradas na região de Bruxelas, na Bélgica. São feitas num processo pouco controlado, e apresentam sabor complexo, com toques amadeirados, ácidos, frutados ou mesmo vínicos.

Abadia

Essa categoria não é exatamente um estilo de cervejas – as cervejas “de abadia” podem ser Dubbel, Tripel ou Quadrupel, por exemplo. No entanto, elas são classificadas separadamente por serem são produzidas com base em receitas das cervejas trapistas, feitas nos mosteiros da congregação católica Ordem Trapista, e consideradas as melhores do mundo por especialistas (a ITA – International Trappist Association –, entidade que engloba os produtores trapistas, possui apenas sete abadias associadas).